Pesquisar este blog

Carregando...

29 de junho de 2012

Seria muito egoísmo de nossa parte se não compartilhássemos as notícias que recebemos esse mês do IAE.
Temos certeza que você também curtirá oas boas novas apresentadas abaixo.
Leia e deixe sua opinião nesse blog.
Informativo Arte na Escola
Informativo Arte na Escola
Dicas Arte na Escola30.06.12Informativo Arte na Escola#13
Eco Art
Por ocasião da Rio+20, o IAE lançou, no dia 24/06, seu novo material educacional, o Eco Art. O evento, realizado em parceria com a Orquestra Sinfônica Brasileira, aconteceu no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e contou com a presença da Secretária Municipal de Educação Claudia Costin. Professores convidados dos Polos UENF e UFRJ também compartilharam deste momento especial que juntou arte, ecologia e música. Além de computadores onde era possível acessar o Eco Art, houve também uma exposição das serigrafias da coleção a partir do qual o material foi desenvolvido. Artistas como Beatriz Milhazes e Tomie Ohtake fizeram parte dessa mostra que usou como suporte totens de vidro inspirados nos modelos criados por Lina Bo Bardi para o MASP. Para encerrar a manhã com chave de ouro, a OSB Jovem apresentou peças de Rossini, Piazzolla e Schumann, sob regência do maestro Mateus Araújo. Veja as fotos no Facebook.
Informativo Arte na Escola



Estão abertas as inscrições para a 13ª edição do Prêmio Arte na Escola Cidadã. Para incentivar a participação dos professores que freqüentam o seu Polo, estamos realizando uma série de web conferências via Skype com os integrantes dos grupos de estudos. Para agendar uma conversa com a coordenadora do Prêmio, envie já as possibilidades de data por e-mail para Renata Arliani. Para participar você precisa ter: um computador com acesso à internet, o programa Skype instalado, câmera e microfone. Em caso de dúvidas, ligue: (11) 3103-8064.


Neste sábado será concluído, em Curitiba (PR), o primeiro Encontro Regional da Rede Arte na Escola de 2012. Realizado pelo Polo Faculdade de Artes do Paraná - FAP, de 28/06 a 30/06, o Encontro Regional Sul e II Encontro de Grupo de Estudos - "O Direito de Aprender e o Dever de Ensinar" conta com representantes de 15 Polos dos três Estados do Sul. Veja algumas fotos do evento.
O Instituto Arte na Escola e o Polo Arte na Escola Unesp iniciaram este mês, com o apoio da Secretaria Municipal de Educação de Bauru, uma modalidade de trabalho incentivado. O projeto A Cidade que é a Nossa Cara é patrocinado pela Tilibra, empresa do segmento de papelaria com sede no município paulista, por meio do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo (PROAC). Isso permite, por exemplo, a remuneração dos profissionais envolvidos no projeto. O objetivo é oferecer formação em arte contemporânea para professores da educação básica. Partindo da Coleção O Leitor de Imagens e sua metodologia, além de ampliar seu repertório cultural em Arte, o grupo de 35 professores irá conceber projetos de intervenção artística na cidade. Destes, cinco terão seus projetos selecionados e financiados. A coordenadora Pedagógica do Polo Unesp, Guiomar Biondo, orienta o grupo de professores locais e supervisiona as atividades ao lado da coordenação geral do IAE, feita por Mirca Bonano.


A Rede Arte na Escola foi um dos destaques da matéria especial do site Globo Educação "Ensino de arte está no currículo, mas ainda falta formação de professores". A reportagem repercutiu o programa da Rede Globo exibido em 16 de junho, e que teve como tema a seguinte pergunta: "É possível educar pela arte?". O vídeo na íntegra pode ser visto via internet.

3 de junho de 2012

SHIRLEY PAES LEME NO MUSEU VALE

Você não pode deixar de visitar essa exposição no Museu VALE. Está imperdível!
30/05/2012 - 18h13 - Atualizado em 30/05/2012 - 18h13

Exposição 'Água Viva' dialoga com artes plásticas e literatura

Inspirada em Clarice Lispector, Shirley Paes Leme convida o público a uma reflexão, a partir desta sexta-feira

GAZETA ONLINE


A partir desta sexta-feira, Shirley Paes Leme mostra seu trabalho no Museu Vale. Misturando artes plásticas e literatura, "Água Viva" convida o espectador a uma reflexão sobre seu lugar na contemporaneidade por um viés poético. A exposição fica em cartaz até o dia 12 de agosto e tem entrada franca.
Veja os destaques do canal Divirta-se

Inspiradas na escritora Clarice Lispector, as obras formam um conjunto com alusões à fluidez. No início da exposição, é abordado o questionamento constante sobre a falta de água, na instalação "Água Dura". São recipientes cerâmicos confeccionados pelas paneleiras de Goiabeiras. "Fiquei fascinada com a água que elas utilizam. Ela tem um poder especial, por causa do seu contato com a casca de tanino, a árvore que fornece a pigmentação das panelas", conta Shirley, em entrevista ao C2.
Leia mais notícias de Artes Visuais

Em seguida, o público encontrará um piso espelhado, refletindo os visitantes no teto. "Eu adoro fazer essa provocação: tirar a referência que nós temos de direção e de lugar. É como se estivéssemos soltos em um espaço", explica a artista. Nas paredes, estarão grafitadas frases retiradas do livro de Clarice Lispector, que carrega o mesmo nome da exposição. Ao final de "Água Viva", telas exibem uma coloração produzida pela água da primeira instalação.
Trajetória
Shirley tem 57 anos e 30 de atividade no mundo da arte. É escultora, gravadora, desenhista e professora. Nos anos 70, graduou-se e começou a lecionar logo em seguida. Realizou sua primeira exposição em 1981, em Brasília, e seguiu para os EUA para estudar e fazer mestrado. Em 1989, voltou ao Brasil.
Serviço: Exposição "Água Viva", de Shirley Paes Leme
Abertura: nesta sexta-feira
Visitação: terça a sexta-feira, das 8h às 17h; sábado e domingo, das 10h às 18h
Onde: Museu Vale, antiga Estação Pedro Nolasco, s/n, Argolas, Vila Velha
Informações: 3333-2484
Quanto: gratuito
Duração: até 12 de agosto

Disponível em: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/05/divirta_se/noticias/artes_visuais/1253009-exposicao--gua-viva-dialoga-com-artes-plasticas-e-literatura.html ACESSO em: 03/06/2012.

6 de maio de 2012

Exposição Mestres Franceses, no Palácio Anchieta

Quer fazer um programa diferente e bem cultural nesse final de semana?
Então vá ao Centro de Vitória visitar a Exposição Mestres Franceses, no Palácio Anchieta, pois está belíssima! As obras são gravuras dos artistas franceses Léger, Renoir, Chagall e Manet.
A coletânea de obras desses artistas ilustra período marcantes do Cubismo, Surrealismo e Impressionismo, estilos que refletem a profusão de pensamentos e conflitos da época e que ajudarão a dar forma à estética contemporânea e moderna difundida e admirada em todo o mundo.


PARA SABER MAIS:
A gravura, como uma das linguagens da arte, tem seu próprio alfabeto, seu próprio modo de expressão e processos, matizados por cada artista que se expressa através dela, seja a xilogravura, litogravura, gravura em metal, serigrafia... Todos esses processos são permeados por experimentações pessoais dos artistas, caracterizando a arte da gravura como uma linguagem de infinitas possibilidades técnicas e artísticas.
A xilogravura se define pela imagem gravada em relevo. Os sulcos cavados sobre a matriz operam como vazios, como marcas em branco, quando impressas na superfície do papel. Seu surgimento se dá em conseqüência da demanda, cada vez maior, do consumo de imagens e livros sacros a partir da invenção da imprensa por Gutenberg. No século 20, artistas como Picasso, Matisse e os expressionistas alemães, entre outros, impulsionaram a linguagem da xilogravura como poderosa expressão artística, abrindo caminho para as experimentações próprias da arte contemporânea.
Já na litogravura (lithos=pedra e graphein=escrever), são as marcas de materiais gordurosos como crayon e tusche, que permitem diferentes texturas, graus de luminosidade e demais recursos gráficos. Tais marcas são deixadas sobre a pedra calcárea e transportadas, fielmente, para a superfície do papel. Essa é uma técnica planográfica e, portanto, relevos, sulcos ou incisões não apresentam função. O princípio de que a água repele o material gorduroso levou Alois Senefelder, na Alemanha, a criar, em 1796, essa modalidade de gravura que muito revolucionou a indústria gráfica. Porém, o que define a gravura em metal ou calcogravura (do grego Khalkòs – cobre) é a impressão das marcas sulcadas ou incisas na superfície da chapa de metal, feitas de duas maneiras: direta, em que o artista desenha diretamente com uma ponta, buril ou berceau, e indireta em que o desenho do artista é gravado pela ação de um mordente (solução de ácido) depois que ele fere a película de verniz protetora da superfície de metal.
O processo de gravação da xilogravura4 e de impressão da litografia5 é realizado com o impressor em conjunto com o artista. Como a reprodutibilidade é uma das características da gravura, cada imagem impressa é um exemplar original e o conjunto desses exemplares é denominado tiragem ou edição. O artista determina o número definitivo para o total da edição e pode indicar  também se foi ele mesmo quem imprimiu as gravuras.
De acordo com Fayga Ostrower:
Formar é mesmo fazer. É experimentar. É lidar com alguma materialidade e, ao experimentá-la, é configurá-la. Sejam os meios sensoriais, abstratos ou teóricos, sempre é preciso fazer. Enquanto o fazer existe apenas numa intenção, ele ainda não se tornou forma. Nada poderia ser dito a respeito de conteúdos significativos nem mesmo sobre a proposta real. Sem a configuração dos meios não se realiza o conteúdo significativo.6

O passeio do  olhar do professor durante a visitação à exposição
Para planejar, uma visita com seus alunos à exposição, visite primeiramente sozinho e com um bloco de anotações registre:
O que as obras despertam em você? Em que elas lhe impressionam?
Que possíveis perguntas surgem para você diante das obras?
Que elementos da linguagem da gravura estão mais evidentes nas obras?
Qual dos artistas mais atraem você? Por quê? E para seus alunos, o que você imagina que eles mais gostarão na exposição?
De que forma poderá preparar seus alunos para a visita à exposição? Explorará o contexto histórico da época em que as obras foram produzidas? Quais embasamentos teóricos poderão ser trabalhados sobre a arte de impressão? Suas técnicas e aplicação nos dias de hoje, seja pela arte ou pela indústria.

REFERENCIA:
Material Educativo para o professor propositor: GRAVURA DE MARIA BONOMI
Disponível em http://www.artenaescola.org.br Acesso em 06/05/2012.

CONVITE Estréia curta-metragem "Os lados da Rua"

Olá, pessoal!
Venho aqui convidar à todos para as estreias do curta-metragem "Os Lados da Rua". Neste filme eu fui o roteirista e diretor e será um imenso prazer vê-los em algum desses dias.
Confiram nossas datas, todas com Entrada Franca:
04/05/12 em Muqui (no Teatro Neném Paiva), às 20h30
05/05/12 em Cachoeiro (Cine Shopping Cachoeiro), às 15h
08/05/12 em Vitória (Cine Jardins), às 21h
"Os Lados da Rua", que tem o patrocínio da Secretaria de Cultura do ES, foi o curta capixaba selecionado para a mostra Short Film Corner do Festival de Cannes na França, um dos principais festivais de cinema do mundo. Mas antes da exibição por lá, fizemos questão de apresentar o filme para os amigos capixabas.
Para quem não conferiu o trailer, segue: http://vimeo.com/40304707
E para quem tem facebook, segue a vida do filme: facebook.com/osladosdarua
Conto com vocês, divulguem!
Grande abraço,
Diego Zon

21 de abril de 2012

Dica de OLHO na Memória


De olho na Memória
No mês que antecede o Dias das Mães, nossa dica é preparar uma atividade relacionada a elas e que explore a memória visual dos seus alunos. Para começar, apresente a eles Iberê Camargo. O artista - que começou pintando imagens de objetos conhecidos -, baseou a sua série "Carretéis" na memória de infância que remetia aos carretéis que sobravam das costuras da sua mãe e com os quais ele brincava. Para saber mais sobre o pintor, indicamos o documentário e o material educativo "Iberê Camargo: matéria da memória". Oriente uma leitura de imagem da pintura "Carretel azul", disponível na Midiateca Arte na Escola. Apresente também outros artistas que trabalham com a "matéria da memória" e são citados no material educativo do DVD. Depois, peça para que seus alunos pensem em objetos e brincadeiras ligadas às suas mães. Distribua cartolinas para que manchem com tintas, pinceis, buchas e esponjas. Deixe metade secar e guarde a outra parte para que seja recortada na forma dos brinquedos lembrados. Monte uma exposição com os trabalhos, faça uma leitura das produções e deixe que o autor de cada trabalho possa falar no final e expor o processo de transformação das memórias em imagens. Detalhes desta atividade estão no caderno para o professor "Agora eu era", publicação integrante do material educativo arte br. Se desejar, publique imagens dos trabalhos na Galeria dos Alunos do site Arte na Escola e apresente o resultado às mães.

Bom trabalho!

14 de abril de 2012

XXII CONFAEB 2012 ARTE-EDUCAÇÃO: CORPOS EM TRANSITO

Concurso de Identidade Visual do XXII CONFAEB 2012 ARTE/EDUCAÇÃO: CORPOS EM TRÂNSITO Postado em: 30/03/2012 A Comissão Organizadora do "XXII CONFAEB 2012 ARTE/EDUCAÇÃO: CORPOS EM TRÂNSITO" institui o "Concurso de Identidade Visual do XXII CONFAEB 2012 ARTE/EDUCAÇÃO: CORPOS EM TRÂNSITO", como parte do evento a ser realizado entre os dias 29 de outubro e 02 de novembro de 2012, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil, com sede na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP/Campus de São Paulo.

INFORMAÇÕES:
http://xxiiconfaeb2012.blogspot.com.br/

12º ENCONTRO DE REFLEXÕES E AÇÕES NO ENSINO DE ARTE

De 11 a 13 de junho de 201
LOCAL: Universidade Federal de Uberlândia

FORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS
As inscrições de comunicações serão realizadas até o dia 30/04/ 2012.
Poderão se inscrever trabalhos para COMUNICAÇÕES nas seguintes categorias:
Relato de Pesquisa (pesquisas em andamento ou já concluídas)

Relato de Experiência (experiências de sala de aula já concluídas)

Os trabalhos deverão ser enviados em um só arquivo para o e-mail
artenaescola@proex.ufu.br de acordo com a seguinte formatação:

Cabeçalho
:TÍTULO DO TRABALHO (em maiúscula)
Nome do autor (ou autores) (em negrito e itálico)
nome do orientador (se for pesquisa) (em negrito e itálico)
e-mail(s)dos autores
instituição a que pertence(m)

Comunicação - Relato de Pesquisa ou Relato de Experiência
Os casos de Relatos de Experiência e de Pesquisa:

Resumo: máximo de 2000 caracteres (com espaços)
Texto Completo: de 6 a 9 páginas, incluindo referências bibliográficas, gráficos e no máximo 5 imagens (tamanho máximo de 300 dpis e com referências completas)
Os trabalhos enviados deverão estar em Documento do Word, página A4, margens de 2,5 cm, fonte Times New Roman, tamanho 12, espaço entre linhas 1,5, parágrafo alinhamento justificado.
      Comissão Científica do evento fará a seleção dos trabalhos enviados de acordo com os critérios de relevância do tema para o Ensino de Arte (Teatro, Artes Visuais ou Música),metodologia empregada, experiências inovadoras no Ensino de Arte, Pesquisas em Artes desenvolvidas em Programas de Graduação ou Pós Graduação.
Os arquivos que não obedecerem à formatação exigida serão automaticamente descartados.
   A divulgação dos trabalhos selecionados será feita por e-mail e lista afixada na sede do Pólo UFU da Rede Arte na Escola a partir de 21/05/2012. 

Os trabalhos serão publicados em Cd-rom do Encontro (em arquivo PDF)*
Mais informações com Léa, Eliane pelo fone 3231-3454 ou pelo e-mail
artenaescola@proex.ufu.br

Realização:
Pólo UFU - Rede Arte na Escola



Seguidores